terça-feira, 31 de março de 2015

um dia

acontece assim
perde-se um 
dia inteiro 
com a tristeza

um dia interminável
margem para 
o trabalho 
do semeador

daí vem a lembrança
do sematophyllum 
na cachoeira
dos  brotos de bananeira 
no outono
e o dia acabou

NSL
30/03/15

sexta-feira, 27 de março de 2015

zoom

poeira de um agosto sem chuva sobre a copa das árvores
nove casas do terceiro quarteirão da rua Tonelero
a calçada em frente a casa duzentos e noventa e seis
a água negra suja escorrendo lenta pela sarjeta
uma carta amassada e molhada em folha de caderno


Quebec, 23 de janeiro de 2003

Querido Yuric
Não culpe ninguém. Este plano vem desde Toronto
na nossa lua de mel, quando soube que você
nunca me amaria e eu nunca poderia viver sem
o seu amor.


Adeus
Carolina


domingo, 22 de março de 2015

guardo há sete anos
e não perde a validade
uma cápsula tranquilizante 
uma pedra 
do meio do rio Taquaraçu
duas duzias de jabuticabas
e um extraordinário céu azul

NSL
22/03/14

Manual para pedido de socorro

Estudo biografias
e carrego no bolso
uma lista fosforescente 

Ana Cristina Cesar
Adam Lindsay Gordon
Aglaja Veteranyi
Alejandra Pizarnik
Alfonsina Storni
Andrés Caicedo
Anne Sexton
Antero de Quental
Anthony Paul Kelly 
Attila József
Camilo Castelo Branco
Cesare Pavese
Cláudio Manuel da Costa
Charlotte Perkins Gilman
Curt Cobain
David Foster Wallace
Dorothy Dandridge Tofranil
Edward Stachura
Elvis Presley
Florbela Espanca
Georg Trakl
Gérard de Nerval
Gilles Deleuze
Hart Crane
Heinrich von Kleist
Jacques d'Adelswärd-Fersen
Jack London
Jacques Rigaut
Jacques Vaché
Jaime Torres Bodet
Jens Bjørneboe
Jimi Hendrix 
John Kennedy Toole
Jon Mirande
José María Arguedas
Karin Boye
Keith Moon 
Kostas Kariotakis
Lucano
Manuel Laranjeira
Mariano José de Larra
Marilyn Monroe (a Norma Jean)
Marina Tsvetaeva
Mário de Sá-Carneiro
Nicolas Chamfort
Osamu Dazai
Paul Celan
Philippe Jullian
Primo Levi
Reinaldo Arenas
René Crevel
Romain Gary
Sadeq Hedayat
Serguei Iessienin
Sílvia Serafim Thibau
Sion Sono 
Sylvia Plath
Thomas Chatterton
Torquato Neto
Virginia Woolf
Vladimir Maiakovski


quarenta e quatro anos e contando

sábado, 21 de março de 2015

ouça o que não digo

seja inédito
publique
cobre
não cobre
fique só
fique junto
faça o que eu faço
seja o que eu sou

NSL
21/03/14

quarta-feira, 18 de março de 2015

salada mista

pera 
uva
(não se preocupe, não estou olhando para você)
maçã
(dedos largos, lábios roxos, olhos de poço fundo)
salada mista
(sob a areia, dedos introduzindo-se discretos em minha fruta)

quem me tira?



NSL

14/03/15

minha vizinha bate portas para me aborrecer
e isso não me parece eficaz

no ranking dos sentimentos
me compadecer de cada uma de suas dobradiças
não deve valer tanto quanto um aborrecimento

NSL
18/03/14

porque não arranco

porque não arranco
com alavanca
esse amor bigorna
do meu peito?

o coração viria junto
assinto



mas se te amo tanto
porque não te sigo
até o alasca
não bebo a água 
do ganges ou como 
o fogo do kilauea
por você?

foi lindo ver crescer 
seu cabelo preto 
como balde de alcatrão
atravessar a rua 
para ver a lua
segurando sua mão

mas outro dia
enquanto sem fôlego 
eu te seguia
lembrei-me de uma frase 
do morrison
ou qualquer outro 
suicida devasso
que eu sempre achei que diria
"é duro te deixar
mas você não acompanharia"

e vi que meu amor por você
é bem maior 
e mais rápido
que meus passos

NSL
18/03/15
sentada num desse bares
alternativos
do edifício maletta
vejo como é ridículo
quando digo
que o centro

ou o barreiro
é longe demais
apesar do michaelis
apontar o advérbio
o adjetivo
e a interjeição
como 
distância 
real, perspectiva ou remota 
no espaço ou no tempo

tudo implica em deslocamento
fácil de ser resolvido
com um helicóptero
ou uma máquina do tempo

daí morar em venda nova
não pode ser considerado
problema de distancia
mas sim de instrumento

NSL
18/03/15

terça-feira, 17 de março de 2015

acomodar

acomodá-lo de bruços 
sobre o joelhos
e com jatos mornos d'água 
lavar com cuidado suas dobras

com as mãos em concha
guardar as orelhas e os olhos
do excesso de água
e da espuma do sabão

secá-lo
untá-lo 
com talcos e óleos 
vesti-lo
alimentá-lo

ignorar 
o leite derramado
a vida intima em pausa
em prol do seu desabrochar

enlevar-se 
diante do seu sono
do primeiro passo
do primeiro dente

e esperar  calmamente
que ele ignore seus sonhos
e despedace seu coração

NSL
17/03/15

sábado, 14 de março de 2015

avesso

na varanda branca da casa
uma menina em cadeira de balanço
borda palácios 
numa fazenda de cetim

no avesso do bordado 
uma criança viking
ri de dragões com cócegas
incendiando traseiros desavisados

no emaranhado de fios
ainda é possível ver 
que Hansel e Gretel
não retornam a casa de seus pais

colecionam junto às poções
uma bruxa embalsamada
e pinos de bala de borracha
como suvenires

NSL
14/03/15

mais antigo nome

sob o silêncio
marias suspeitam
nem toda guerra é inútil
e a melhor parte que lhes cabe
é ser as guardiãs dos vínculos

marias não atirariam pedras
elas saberiam
da subserviência das madalenas
a lascívia dos homens

à aquelas que nasceram
ou cresceram contaminadas
pela essência dos tiranos
assopremos em seus ouvidos
até possam se viram do avesso
e lembrar seu mais antigo nome
_ maria, maria!

NSL
14/03/15

sexta-feira, 13 de março de 2015

Nono Sarau do Filizolla 10/03/15

quinta-feira, 5 de março de 2015

PUNHOS

Acordei cedo, “Hoje eu resolvo isso.” Os dedos correndo sobre o pequeno relevo ósseo na testa. Há quantos anos tinha sido? Oito? nove? Antes não era assim. Aquela seria a vida que eu sempre sonhei. Um homem forte, protetor. Nada que eu tive em família. “Nossa veja como a Olívia parece feliz!” “Que namorado lindo ela arrumou!” As invejosas ficaram se perguntando o que um homem tão bonito quisera com uma mulher fraca e insossa como eu.

“Hoje eu resolvo isso.” Mas não posso ir à polícia. “Não!” A polícia seria o fim, e isso eu não quero. No começo ele não era tão obtuso. Parecia querer ocupar com prazer o lugar de pai que eu havia lhe reservado. “Vou voltar naquela cartomante, pergunto o que devo fazer.” Ela errou afinal. Cadê a perfeita história de amor que ela me prenunciou há treze anos? “Quero meu dinheiro de volta” De que estou rindo. “Não, não quero nada de volta.” Não quero a vida que tive desde que nasci, quero outra. 

Antes as mãos dele corriam no meu rosto, da lateral dos olhos até o queixo. Era bom sentir esse carinho. Agora basta fechar os olhos para sentir os punhos explodindo sobre a minha cabeça. Aqui, atrás da orelha tem outra, se eu passar o dedo lentamente posso sentir os seis pontos. Tive que mentir no pronto socorro, dizer que era queda. Era queda afinal. Quem pode dizer que levar porrada não é queda? 

A cartomante me aconselhou escrever, aliviar a dor. Mas nem analgésico resolve isso. Eu ontem me senti linda com o vestido que minha mãe me deu. Ela estava certa afinal. Dizia que esse homem não prestava pra mim. No começo eu achava que ela estava dizendo o contrário. Que o problema estava em mim. O que ela viu que eu não vi? Café quente. Ele me arrancou da festa com meia hora, me trouxe pra casa e me mandou fazer café. Depois isso. Nem sei se consigo tirar as manchas. As queimaduras eu terei que esconder um mês. “Estou tão cansada de esconder minhas feridas.”

Todo dia ele assiste o noticiário. “O que será que pensa quando vê esses homens sendo julgados?” Acho que ele nem pensa. Tanta mulher morta. Legitima defesa. O cara tem o dobro do tamanho e o desgraçado alega legitima defesa. No começo eu tentava lutar, braços pernas, uma confusão. Com o tempo fui percebendo que se eu ficasse quieta podia durar menos. E ainda tinha a sensação de que eu é que tinha provocado. E provocava mesmo. No final de terceiro ano de casamento ele começou a escancarar. Chegava tarde, cheiro de mulher, batom, essas coisas. Eu perguntava e ele ria. Eu gritava. Quem não gritaria? No dia do churrasco de aniversário ele trouxe uma delas. Disse que era amiga. Fiz vista grossa. A casa cheia de gente. Até que flagrei os dois se pegando na cozinha. Fiquei olhando de longe, esperando todo mundo ir embora. Depois gritei, xinguei, chorei, esmurrei o peito dele. Foi a primeira. O olho ficou tão roxo que eu só saia de óculos escuro. Uma vizinha viu, mas acho que preferiu não se meter. 

No começo ele me chamava de princesa, levava para sair, resolvia meus problemas com minha família. Mesmo aqui em casa, era um doce. Preparava jantar romântico, contava sobre o trabalho. Parecia mesmo que eu ia ser feliz. Tanta guerra com meu pai e meus irmãos. A minha mãe sempre calada, deixando eles me aprisionarem, me fazerem de escrava em casa. E os espancamentos? Acho que eu tenho um imã. “Oh meu Deus, será que eu vim ao mundo só para apanhar?”

Voltei na cartomante. Dessa vez ela me mandou ir á policia. Já fui uma vez, mas ele não sabe. O policial perguntou o que eu tinha feito. “O que eu fiz?” Acho que é o que tudo mundo pensa. Quem apanha, apanha por que merece. Desisti de policia desde então. Mas está ficando difícil. Ele pode tudo. Sai com mulher, chega tarde. Me humilha com isso. Eu resolvo ir ao cinema sozinha e ele me bate de novo. “E tem que ser sozinha mesmo, né?” Ele foi proibindo a presença das minhas amigas, da minha mãe, acabou não ficando nenhuma companhia. 

Fico olhando essas mulheres da vizinhança. Como será não apanhar? Elas parecem tão fortes, tão bonitas, tão altivas. Eu olho no espelho e me vejo tão feita, encurvada, sombria. Levar porrada faz isso com a gente. A vizinha do lado está grávida de três meses. De vez enquanto eles brigam. Dinheiro, eu acho. Mas dura pouco. Eles sempre conversam no final.

Ele agora deu para atirar as coisas em mim. De longe, mesmo. Eu já sei quando ele está violento. Ele chega com um jeito estranho de respirar, meio duro, afobado. Nesses dias eu invento coisas para ficar longe. Daí ele passou a atirar coisas. Primeiro foi o controle da TV. Nem deu marca. Depois foi o prato de comida. Não acertou. Hoje estou com a batata da perna cortada porque ele atirou um castiçal em mim. O maldito tinha uma ponta para prender a vela e rasgou minha perna. 

Fico olhando ele dormir e pensando. “E se eu o sufocasse dormindo?” Nem pensar. Estou fora. Acho que eu não teria força para segurar nem um minuto. Se eu fosse fazer isso precisaria de ajuda. Não conheço ninguém que pudesse me ajudar com isso. Nem consigo achar ele bonito mais. O queijo quadrado, os pelos sobre a mão. Olho isso e só lembro da cara travada que ele faz quando me bate.

Ele fez de novo. Armou um circo para o meu aniversário. Chamou todo mundo. Os descarados dos amigos de farra vieram me trazer presentes. Devem me olhar e pensar em como posso ser tão idiota. Quase posso ouvir ele contando na roda. “Eu chego em casa ás quatro e ela me faz um cafezinho.” As risadas ecoam no meu ouvido. Lá pelas dez a gostosona chegou. Se apresentou como Shirley. Só pelo olhar que os dois trocaram eu soube que tinha trazido vagabunda para casa de novo. “Não vou fazer parte dessa merda!” 

Não adiantou. Depois de todos foram embora ele me arrancou da cama a força dizendo que destratei os amigos. Hoje é dia de lamber ferida. O médico engessou enfaixou a costela quebrada, mas está há meia hora me fazendo perguntas. Não adianta. O roxo no olho denuncia. Vou dar um chega pra lá nele. Quero ir embora. Estou cansada. 

Preciso pensar em um jeito de acabar com isso. Estou assustada com a raiva que eu sinto de mim mesma por continuar nessa história. Isso de polícia eu sei que é bobagem. O cemitério está cheio de mulheres que tentaram sair. É isso que ele diz. Quando me achar me mata. Preciso dar um jeito. 

Lá fora escuto a sirene da policia. “Quem chamou?” Sei não. Estou aqui tentando me lembrar. Deu um branco. Sei que ele chegou daquele jeito, bufando. Comeu e sentou no sofá. De lá gritou por causa dos pelos do cachorro na almofada. Atendeu ao telefone e ficou conversando pornografia com a tal da Shirley. Depois gritou de novo por causa da água nas plantas, a dengue, essas coisas. Lá da cozinha eu via o sofá e a cabeça dele como se fosse um grande corpo. A sala na penumbra, só com o brilho da TV. Eu guardando as vasilhas da janta, o batedor de bife na mão. “Quantas batidas eu teria que dar para ele não se levantar mais?” Teria que ser uma, bem forte. Mirei de longe a cabeça, forcei os braços. Nesses anos eu havia aprendido a caminhar silenciosamente. Pé de pano, ele dizia com raiva. Ele nem viu que eu estava atrás. Levantei o braço alto e pus nele a raiva de nove anos de violência. O crânio abriu-se como uma flor. O “crack” dos ossos fez minha vagina contrair excitada. Bati novamente. Agora a orelha ficou desfigurada. Ele tombou um pouco e eu pude ver seus olhos de desespero. Não consegui parar. Ergui e desci o braço compulsivamente. E o a única coisa que me incomodava era um pensamento estranho. “O sofá vai ficar irrecuperável.”

Poético

ah, amado
agora que me reconhecem
muito do que eu dissesse
poderia ser poesia

mas poético
é superar seus sonhos de céu islamita
com meu penhoar de oncinha
e meu cheiro de sexo

mesmo sua ira
diante das coxas peru
mal temperadas e queimadas

é poética
(nem ligue por eu contar
todo mundo sabe que não se cozinhar)

ainda posso fazer 

uns poemas fraturados
você já colou meus cacos
mas quem precisa saber?

para agradar os herméticos
posso relacionar
um copo de leite
com a bóson de higgs

posso destilar meu amor e ódio
por heidegger, céline, pound
bukowski, e até
a porra do burroughs
e pronto
está declarado
todos merecem ser apreciados

mas poesia
poesia mesmo
é ser a sua sherazade
a nova sandy
sua bruna surfistinha
de meia-idade

NSL
05/03/15