sábado, 25 de março de 2017

enquanto

há esta geografia
lugar
espaço
territórios

e há o amor
declarando guerra
ao que recusa
se mover

sexta-feira, 24 de março de 2017

Mira

[norma de souza lopes]

afora o susto
(seus olhos não sorriem)
eu semeava uma casa
uma vida, uns filhos
contigo

uma pequena distração
e eis me aqui
vítima outra vez
desse acidente
o amor

terça-feira, 21 de março de 2017

Ode a ilusão de controle

Nem sempre foi esta luta furiosa pela vida
Às vezes observava a todos na plataforma do metrô
Cada vez mais cedo executar seus dias
E pensava antes do salto fatal
Que era preciso escrever uma carta aos filhos pequenos
Com recomendações sobre o que fazer enquanto crescessem
Até perceber que apenas uma carta não daria conta de uma vida inteira
Seria necessário talvez uma carta por aniversário para cada um
E ainda assim haveriam as lacunas, recônditos que nem mesmo uma carta para cada dia de suas vidas alcançaria
Restava embarcar e seguir para o trabalho
As lágrimas implacáveis no reflexo da janela do trem
Nem sempre foi essa luta furiosa pela vida

segunda-feira, 20 de março de 2017

estão todos

estão todos a falar de si
lugar onde só cabe um
(exceto por estes
breves momentos
luminosos de lucidez
em que se vê
e sente, do outro
a dor do desamor
da perda
da traição)

não é difícil emular
um certo olhar de cambaxirra
uma curva nas omoplatas
queixo mergulhado no peito
e de repente o outro nos habita

fora isso estão todos a falar de si





sexta-feira, 10 de março de 2017

quinta-feira, 2 de março de 2017

Lembrar que na quadrilha de alguém
A gente é sempre o primeiro
Por isso aquele beijo
Hoje de manhã

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

jura-se

jura-se guardar pra sempre
o CD do 14 bis
o umbigo dos filhos
o primeiro caderno de desenhos
daquele curso no arena cultural
o mapa astral plastificado
as promissórias do imóvel
conchas de jericoara
o sangue do arrebol
naquela ida secreta
ao mirante

jura-se inutilmente
tão perdíveis tais tesouros
quanto estas tatuagens de rena
que nos poemas
chamamos de amor






sábado, 25 de fevereiro de 2017

voo

uma vez vi um corpo nu
descrever uma descida vertiginosa
onze andares
de um prédio residencial

era um corpo ou um homem?

no dia seguinte pedaços de ossos
contavam sonhos irrealizados
nos beirais do prédio da rua Timbiras

espantou-me a pressa
com a qual a chuva
lavou o sangue no asfalto

Foto de Ren Hang
(sinto muito por seu voo Hang)😪


sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

jackpot errado

nos anos oitenta eu lia qualquer
pedaço de papel que achasse
tropeçava nas bacias das lavadeiras
lendo a caminho da escola
eu jurava que havia resposta
adequada para o que me faltava

parecia mais fácil responder
que se lhes enfiassem no cu
suas aspirações acerca
do melhor destino para mim
a rejeição não precisava
ter solução

aqueles eram tempos
dos manuais para o sucesso
apare sua raiva pela raiz
jogue o jogo do contente
seja resiliente, ame, ame, ame

muitos anos de luxúria e paixão
(a paixão dura dois anos, dizem)
capítulos de histórias de amor fake
até entender que quando 
sinto que estou ganhando
estou no jackpot errado 


sorte no amor, qual o quê
nenhum livro me contou 
o que hoje me parece óbvio
só desbanco quando 
eu mesma me amo 

Foto Larry Towell


quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

se você

você sorri enquanto caminha 
é pensa: "no verão o amanhecer 
pode ser uma coisa alucinante"
em breve ouviremos 
os proclames do outono

se você poderá dormir
trocar de roupas, trabalhar 
e seguir com ninharias
é algo que me parece atroz

como é possível que se esqueça 
das palavras nas velhas cartas
dos poemas em guardanapos
das canções que me dedicou?

não que eu não seja capaz 
de me render amor
mas era sublime 
a intensidade em seus olhos 
nem todo ouro do mundo
me traria de volta aquela sensação


se você decidisse, só um pouco,
acreditar no amor
poderia ter ficado
lembra? parava diante 
de qualquer espelho
e nos achava lindos juntos

não é o fim da vida, eu sei
só dói quando me identifico
com as heroínas dos filmes de amor
e me lembro de minha sina de preterida

mas por Deus, como você supera
o fato de ter nos transformado 
para sempre no fragmento 
de uma promessa?

você coloca os óculos escuros
evita o sol, observa os pombos cagando

na estátua da praça da estação
e não parece entender
que o amor é um punhado de renúncia
e uma meia dúzia de dias felizes no mês