segunda-feira, 28 de março de 2022

25 de março

Era quase infantil 

os gritos 

e as faixas

"Kalil pague o piso"

O piso salarial é o valor mínimo da remuneração que pode ser destinada a determinada categoria profissional, variando  conforme cada profissão. O benefício deve ser superior ao salário mínimo nacional.

cerca de trinta pessoas em um meio círculo pacífico

A imagem do olho pode aparecer simbolizando o colo materno, o protetor da criança que tem pavor da consciência. Na imagem do olho encontra-se a pupila, a criança. 

" acerte primeiro os olhos"

bombas de gás lacrimogêneo são estruturas de metal disparadas por armas lançadoras que, após explodir, liberam um gás basicamente composto de 2-clorobenzilideno malononitrilo, o chamado gás CS. Trata-se de uma substância sólida que misturada a solventes toma a forma de aerosol ácido, que em contato com os olhos causam lacrimajemento intenso e queimação.

"ali, bem na cabeça"

Bastão expansível tático, ou cassetete uma arma de defesa pessoal considerado uma arma menos letal, normalmente feito de madeira, ferro ouprolipropileno. Seu uso remete ao período vitoriano em Londres pela policia da época, dês deste uso em Londres, a utilização do cassetete e de bastões de defesa foram popularizando através do mundo sendo essencial para as forças de segurança policiais.

educação

modos tão singulares de violência

Professor é uma pessoa que ensina ciências, arte, técnica ou outros conhecimentos. Para o exercício dessa profissão, requer-se qualificações acadêmicas e pedagógicas, para que consiga transmitir/ensinar a matéria de estudo da melhor forma possível ao aluno. É uma das profissões mais importantes, tendo em vista que as demais, na sua maioria, dependem dela. Platão, em A República, já alertava para a importância do papel do professor na formação doo cidadão.

 

como crer numa cidade 

que não se levanta

quando o governo

violenta

professores?

segunda-feira, 1 de novembro de 2021

fóssil

súbito

acordar incapaz 

de carregar nos braços


no máximo

mãos nas costas

um balanço

uma árvore

um tobogã


a desconexão

como pedra

encaixada

onde havia osso

o amor




quinta-feira, 12 de agosto de 2021

Muita coisa se aprende na literatura sobre bipolaridade, mas pouco disso é realmente útil para o cotidiano desse transtorno. Dois sintomas em especial tornam a vida e os relacionamentos bem difíceis. Estou falando da impulsividade e da persecução. 

Geralmente os estudos afirmam que a impulsividade é um quadro das fases maníacas. O que não se diz é que esse aspecto do transtorno pode se tornar uma característica da personalidade. Imagina conviver com alguém que opera dentro de uma lógica interna inexorável e que é quase incapaz de mudar de direção em qualquer atividade, mesmo que descubra que sua execução pode estar errada. A pessoa não consegue parar. Seja o modo de lavar a louça, o jeito de temperar um prato ou a condução de um trabalho corporativo.. Ela começa a tarefa ou atividade e, até que chegue ao resultado, bem sucedido ou fracassado, não consegue parar. 

Eu sei, você deve estar pensando: “que bom, é alguém que termina o que começa!”. Mas esse indivíduo passa a ideia de um teimoso inveterado e quase sempre é o terror de espaços muito hierarquizados porque ele nunca consegue esperar a autorização de um chefe para realizar um trabalho da maneira como acredita que dará certo. Quando dá certo a quebra da ordem passa batido. Mas se dá errado ele se torna um profissional indesejável no setor. 

Outro sintoma difícil e pouco explicado é a persecução. Quando os estudos falam sobre delírio persecutório geralmente explicam crises em que a pessoa vive episódios delirantes em que é objeto de fraude, espionagem, perseguição, envenenamento, calúnia, assédio. Mas a persecução, quando se vive o transtorno por muitos anos, se torna, como a impulsividade, um modo de viver. Para quem observa de fora é visível que houve um afastamento da realidade. Mas viver em persecução não é tão óbvio para quem sofre. Não dá para saber se as outras pessoas estão agindo de má fé, sendo mal intencionadas ou se são só os efeitos da persecução em ação. Trata-se de viver sob constante defesa ou abrir mão e confiar inteiramente nas pessoas. Quem consegue fazer isso, renunciar totalmente às próprias defesas egóicas?

E o pior que, a despeito da importância dos efeitos das medicação nesses sintomas  (antipsicóticos, estabilizantes de humor etc.)  e até mesmo da terapia, é como se o cérebro assumisse um modo de funcionamento automático para esses dois fenômenos. A pessoa trata, conversa sobre, racionaliza, reflete e quando menos espera eles surgem novamente, como um modos operandi  irremissível. 

Longe de mim solicitar condescendência para quem me ama e vive próximo de mim, vivo isso todo dia mas sei que ninguém é obrigado. Só estou escrevendo isso aqui, como sempre, para ver se diminui o meu cansaço com isso tudo.


quinta-feira, 3 de junho de 2021

Tinha

- Não tem nenhum livro lá não, mãe.

- Como não? Estão guardados onde, então?

- Não tem nenhum livro. Foi tudo para o lixo.

Quantos? 

Cento e cinquenta? Duzentos? 

"A renúncia é a libertação. Não querer é poder."

Foda-se Pessoa. Não consigo.

Ai, tinha aquela edição especial do Tabacaria que o Ricardo me deu. Tinha o Silêncio da Mari.

Tinha aquele Ulysses capa dura. Em tempo de aperto conseguia quinhentinhos fácil nele. Aquele da Laís, com dedicatória. Livros de poetas vivos que eu detestava, de poetas menores que eu amava.

É. Deviam ser uns duzentos. 

Ainda bem que eu devolvi o Poemas da Wislawa para o Rodrigo. Wislawa não, Tia Geralda.

Para me consolar ela diz:

-  Imagina, pode ter uma filhinha de gari lendo alguns deles agora. 

Não era apenas a capa, o volume, o cheiro ou a mancha da página. Vivo tão ligada nas telas, nos livros narrados, que não me digno a afirmar fidelidade. Era a idéia de tê-los. Não fosse exagero, diria que me sinto amputada. Drama queen

-Você viu ele jogando fora? Não pensou em me ligar, em recolher, guardar?

- Quase três anos, mãe, não achei que fosse importante. 

Me pertuba essa lembrança a conta-gotas de um ou outro exemplar: Os drumonds, os bandeiras, minhas adélias, adílias, clarices e cecílias. Ah, a Carolina, tão garimpada e agora jogada fora. 

Três anos esperando o melhor momento. Bastou tirar a primeira sacola. Uns trinta. E depois essa desgraça. Mamãe não gostava que a gente dissesse "desgraça",  para ela o mal vivia encarnado na palavra. Mas desgraça tem o tamanho exato da minha raiva. 

Mais de duzentos, com certeza.

Se me banisse da casa, da mente, do ódio. Se eu não precisasse mais sentir medo, talvez eu até pagasse o preço. 

Pagar. É isso que faço. 

Ainda bem que posso pagar, ainda bem que posso ajudar. Ainda bem... 

Ainda bem para quem?

É que eu nunca sei o que poderia ter sido se eu não pagasse nada. Se saisse dando porrada, dando um basta, dando um foda-se para todo mundo e gozando dos frutos de tudo que renunciei para estar aqui. 

Mas eu não renunciei sozinha. Tinham os filhos. 

Calharam nascer de uma mulher que queria figurar nos sucesso populares, e para isso estudava, trabalhava, esforçava e ocasionalmente escapava da vida comezinha de ser mãe.

Instituição fracassada. Três minutos de escrutínio e o que temos é derrota e culpa. E filhos que não se cumpriram.

Podia me assegurar de não esperar nada, mas a vida não é indolor, e o que corta neles me rasga. 

Eu nem queria entender mecânica quântica. Só queria poder crer numa outra dimensão em que eu ainda tivesse meus livros. E uma história que não triturasse meus filhos. 

quinta-feira, 18 de março de 2021

oscilação

"não escreve mais poesia?"

você pergunta

eu não respondo nada

estou cansada

desse versos requentados

sujos, amarelados

carregados pelo vento

jornal de ontem


exausta com este tempo

em que qualquer vigarista 

inventa verdades

tantas eras 

e este pêndulo de déspotas 

a atrasar a democracia

(e nem era democracia, o fluxo 

que eu queria

ainda não tem nome)


sei que tinha dito

"não vale a pena"

" não há nada a dizer"

mas há um sinal 

de nascença em minha lingua

uma esperança obscena

abrir as portas

e mover o mundo

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

 Em 2007, por ocasião de uma grave crise mental, eu fantasiava a implosão de todos os prédios escolares. No fundo do meu desespero eu queria começar do zero, fazer outra escola, outra educação.

Estranhamente o Corona vírus parece ter operado essa implosão. O espaço escolar, seu formato, suas tecnologias não atendem mais nem seu objetivo educativo primeiro nem os tangenciais, que é o de ser uns dos únicos  aparelhos que leva uma certa assistência social onde o estado não chega. Ele precisa deixar de ser o que é.

No entanto quase ninguém, a começar pelas agências governamentais, consegue começar do zero. Fazer outra escola. 

A minha fantasia era pensar que derrubando os prédios derrubaríamos seus dispositivos de exclusão. Eles não são de concreto. Eles estão erguidos discursivamente dentro de nós com a dureza do concreto.

É preciso muita força para não enlouquecer de novo. Aqui, imóvel diante da marcha da morte, da epidemia invisível da fome,  incapaz de pensar algo novo, que interrompa o PROJETO hegemônico  de exploração que avança irreprimível sobre o mundo. 

De novo esse medo de ter me enganado em acreditar na força da educação.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2021

a poesia é um emoji de lágrima

caminho entre as pedras 

e a água, e o lodo

e ouço os gritos

como na piada

do japonês 

vai morrer

vi outro dia 

o joão da mata

e o seu bando

correndo perigo 

na cachoeira

e pareciam tão vivos

sabia que quase

morri um tanto de vezes?

viver é escolher 

o risco 

escolho um 

chamado 

francisco

de cinco anos 

porque ele me abraça

sem máscara

e me ama 

sem culpa 

e se me julga

é por não ter

feito florir o cravo

da última vez

que veio me ver 

pensei: entrei pra história 

que bom que escolhi

ficar viva pra ser

a vovó das plantas

é triste assistir

o desfile diário

mil partidas

minha amiga espírita conta

segredos do além

ela diz: norma

quanto mais medo

e mais apego 

mais triste o degredo

há dias que sou

o pato na copa

da árvore batendo

papo com a morte

francisco pergunta

desde a primeira frase

é agora que

o pato morre?

e por fim

e a tulipa?

ele ainda não sabe

há o risco

e o tributo

e de repente parece

que faz sentido

o eterno retorno

e a holotúria

da szymborska

morrer só um pouco

só um pouco









domingo, 10 de janeiro de 2021

meio verdade

outro acento

outro ritmo

e nada do que disse

é


insistir em falar

é  flutuar

enquanto não me lembro

que não sei nadar

terça-feira, 10 de novembro de 2020

servidão

 a submissão

das três pontas 

de ossos

sobre a cerviz


sólido

o medo das asas

infiltradas

nas escápulas


ossos do ofício

desenhar

o cosmo

no asfalto

aligator



quinta-feira, 5 de novembro de 2020

koan

Que me interesse a resposta 

à pergunta do mestre

zen sobre qual é o som de palmas 

de uma só mão

não sou capaz de 

evitar o arrepio nas orelhas 

deixo que me envolva 

a memória, caixas alinhadas 

a textura e o cheiro sem nome 

de sua pele, é quase um crime 

tentar dizer, mas era o som

e a alegria de vigorosas 

palmas, duas mãos

nosso encontro 

apenas existindo

sobre as cobertas