sábado, 31 de maio de 2014

e nos dias em que eu sair sem dar bom dia
ou me esquecer de perguntar se tudo te foi bem
por causa desse meu defeito de fábrica
que me leva a flutuar entre a alegria e a tristeza
gostaria que você soubesse 
que não é por falta de amor
a simples ideia de passar
um só dia sem você
tornaria continuar vivendo
impossível

NSL
31/05/14


que poeta eu seria
sem este espinho na carne
esta dor maldita 
que não me abandona?

agora inventei 
de mover-me vigorosamente
do nascer ao por-do-sol
porque descobri 
que dói menos quando me mexo

por quanto tempo
isso irá resolver
não sei
só sei que quando me movo
instalo o agora em mim
e para além da poesia
o agora é a única
coisa que existe

NSL
31/05/14

quinta-feira, 29 de maio de 2014

e quando deixei de crer
que havia sentido na queda da folhas
que quem luta sempre vence no final
que um grande amor me resgataria da tristeza
sobrou essa pata de elefante sobre o peito
e uma resignação compulsória à finitude

(mas por favor grande amor, prove-me que estou enganada...)

NSL
29/05/14

debulhar a palavra
letra a letra
enquanto os ponteiros
do relógio se arrastam
tentar esquecer
para onde  tempo
me leva
nunca calar
a voz é a percussão
do tempo
descer no lago da loucura
emergir reduzida a nada
quantas células perdi hoje?
quanta força perdi hoje?
quanto sonho perdi hoje?
quisera um amor avassalador
um que me arrancassem de mim
este esboço que me tornei

NSL
29/05/14

terça-feira, 27 de maio de 2014

libélulas azuis

libélulas azuis
vivem até quatro anos
seu voo, beleza, ovos
são uma promessa

onde pousa esta promessa
quando é mais rápida a fome 
da ponta da língua viscosa de um sapo?

NSL
27/05/14


domingo, 25 de maio de 2014

Indigentes

domingo de manhã
ouço a vizinha contar
mas um morto na rua da matriz
dívida de crack

morrem tantos
e ainda são muitos
caminham em círculo 
peles enegrecidas e magras
pela praça

as vezes somem
comunidades terapêuticas 
de recuperação
mas quase sempre voltam

não é preciso dizer
o nome da rua
o nome da praça
estão em todo lugar

os passantes 
com seus óculos seletivos
observam as flores dos canteiros
mas para mim já não há cidade
apenas esses corpos indigentes
acusando o fracasso da civilização

NSL
25/05/14


sábado, 24 de maio de 2014

dias felizes

não há compartimentos
para guardar dias felizes 
devem ser devorados 
como torta de chocolate 
com recheio gelado de nozes

a nós cabe apenas comê-los 
com avidez e silêncio

NSL
24/05/14

árvores

no amor sou árvore
quaresmeira 
raízes profundas
madeira frágil
e o meu amado
não sei se te disse
também é arvore
só nos move
a paixão 
das tempestades

NSL
24/05/14

quinta-feira, 22 de maio de 2014

longos anos fiando esse amor
desde que você nasceu
pontos apertados
rede de trapézio
para agora
um a um
a quatro mãos
desfiá-los
todos

NSL
22/05/14

quarta-feira, 21 de maio de 2014

nunca mais
escrever por você

deixar o vibrar o silêncio 
até o eco
abrir distância

indolor

NSL
21/05/14

terça-feira, 20 de maio de 2014


eu não percebia
mas enquanto buscava
respostas genuínas
detonava pontes

ficou impossível partir
transpor a borda
importar

tanto esforço inútil
e restou-me apenas
a solidão
e a mais absoluta
ausência de verdade

NSL
20/05/14

sábado, 17 de maio de 2014

temos tanta ruína pela frente
e já não posso sustentar a ilusão
de que tudo me irá bem
de que vou sobreviver a tudo
olho para a garota no caixa do supermercado
será que ela não sabe quanto tudo é medíocre?
empacotadores, arrumadeiras atravessando a cidade
tanto orgulho em ser os melhores
será que eles não sabem?
minhas amigas apostam nos chás
nas sementes pois querem atrasar a morte
inútil, inútil, inútil. O acaso é dono da morte
no entanto minha desilusão é mais patética
é preciso jogar o jogo
continuar me movendo para lugar nenhum
que a vida mora no movimento e parar...
parar não domina a morte

NSL
17/05/14

terça-feira, 13 de maio de 2014

todo dia uma risada forçada
ou duas
que quando a crença
na coisas da vida
morre no peito
é preciso fazer força

NSL
10/05/14

sábado, 10 de maio de 2014

sacudir o cotidiano
dispersar o pó
das circunstâncias
até que sobre só
o mais puro desejo

NSL
10/05/14
a sala está cheia
as vozes se tocam
as línguas trocam
mais e mais
da mesma coisa
repetição viscosa
nada novo nasce
dessas vozes inférteis
melhor seria escutar
a grama crescendo
alimentando os pombos
com suas sementes

NSL
10/05/14

uma  pequena ilusão
doce túmida e rosada
me salvava o dia de hoje

NSL
10/05/14

sexta-feira, 9 de maio de 2014

tão bom
quando a poesia
diminuía
o medo
da morte
e conferia brilho
à vida

não tem graça escrever
se só fui à três marias
nunca falei com um padeiro francês
não fotografei as cataratas do niagara 
e dou apenas 25 passos para fora de casa
todo dia
naufragar no literal é foda!

NSL
09/05/14


sábado, 3 de maio de 2014

devia ser proibido escolher entre o ruim e o pior

diante do risco
da escolha errada
ordenhar o dia
para extrair risadas
destrançar os fios do tédio 
desfilar sob o sol de maio
dissipar as sombras da alma

NSL
03/05/14