domingo, 14 de junho de 2015

alto-mar

quarenta e quatro anos
nadando com vigor
no oceano das oportunidades
em direção a célebre terra prometida

em vão diminuí o ritmo
no intuito de trazer comigo
um irmão, um companheiro

olhar para trás
é beber o rastro de afogados
adiante apenas 
uma terra que talvez 
seja beijada por meus netos

NSL
14/06/15

quarta-feira, 10 de junho de 2015

deviam deixar-nos
como nos deixam as belas formas da juventude 
e a saúde
as memórias de nossos corpos 
mas não
estamos sempre encalhando em espaços 
onde já não cabemos
adquirindo vestes inadequadas

mesmo quando por vezes 
nos distraímos e nos acostumamos 
a carregar nossas carcaças gordas e doentes por aí
há as velhas fotografias 
de corpos dourados e torneados 
à beira da praia
para nos constranger

se bem que ainda poderíamos
rasgar as fotografias
mas a memória
essa não
ela continua 
como um vinil arranhado
a repetir uma imagem fantasma

NSL
10/06/15

segunda-feira, 8 de junho de 2015

a despeito do desejo 
de deixar seu feudo
para serem músicos em bremen
um burro, um cão, um gato e um galo
pararam no caminho 
por uma casa de ladrões
repleta  de espólios

porque cargas d'água
pararam no no caminho?

NSL
08/06/15
que sonho!
você às margens da morte
e eu a expulsar estrangeiros de casa
eu que sou forasteira
no trabalho
na família
na vida

eu que só tive pátria
quando fazíamos amor
como os últimos da terra
e você jurava nunca partir

pensar
acordei viva
e pude levantar-me com minhas pernas
já não é um consolo adequado
não sei até quando
escrever poesias
que você não sabe ler
será o bastante

NSL
08/06/15

domingo, 7 de junho de 2015

restituição

minha avó ia a igreja
às terças, às quintas
e aos domingos

e torcia a boca 
para os que
não tinham direito 
ao paraíso

há décadas escandalizo 
tentando devolver o céu
aos gentios

NSL
07/06/15

norma jeane mortenson

uma ânfora negra
onde depositam flores
uma placa marrom
e letras douradas
marilyn monroe
1926 - 1962


um pensamento pueril me atravessa
26 é o inverso de 62
e há o traço
ah, que sorte seria
ter dançado
com norma jeane mortenson
sobre esse traço

NSL
07/06/15



sábado, 6 de junho de 2015

exercício para compreensão da dinâmica do encontro

1- desenhe uma linha que divida um papel em branco ao meio;
2 imagine que seja ela a linha que divide a esquerda o "eu" e a direita o "outro";
3- marque sobre a linha um ponto ou um o quase ruido para representar aquilo que chamamos encontro do"eu" com o "outro";
4- contraia esse ponto até que ele te pareça imperceptível;
5- permita que sua mão corra com o lápis de um lado da folha e depois do outro me maneira aleatória descrevendo traços incompreensíveis;
6- Observe atentamente o resultado;
7- Se você for incapaz de compreender o resultado de todo esse exercício você está pronto.

NSL
05/06/15


quinta-feira, 4 de junho de 2015

Os passáros de minha mãe de Cecília Woloch

Minha primeira tradução. Fui cigana com Cecilia. Também fui um pássaro engordado por minha mãe. Chorei muito ao final da tradução. 

My Mother’s Birds

My mother’s Polish nickname was the word for dried-up; sticks Sucha, her mother called her. Little witch; Miss Skin-and-Bones. Fifth of eleven thin and startled children, all those mouths to feed. Okay: it was the Great Depression; everyone was poor. They baked potatoes over fires in the street, my mother said; dipped stale bread in buttermilk, ate what was put in front of them. And she was dark-eyed, dreamy, danced in vacant lots, played movie star. Tied her black hair up in rags; high-kicked through cinders, broken glass. Picked cigarette butts from the gutters for the pennies Dzia-dzia gave. Though CioaCia Helen down the hill, their crazy aunt, was better off. She gave them sweets, cheap sweets but sweet. She gave them Easter chicks one year. My mother took the tiny peeps and raised them tenderly, as pets. I’ve seen the photographs: their white wings all aflutter in her arms. As if such chickens could have flown, but they were meat, those birds she loved. Tough meat, and these were hungry years. And CioaCia raised the axe. My mother sobbed and couldn’t swallow, nor could anyone, I’ve heard. The story goes she saved a few stray feathers, hid them, sang to them. Knelt above them weeping in the attic, just like church. Fed and watered them for months, her sisters laughed; the ghosts of birds. The way, years later, always singing, she would try to fatten us. Her own strange brood of seven children, raised less tenderly, perhaps. As if, this time, she wanted to be sure we’d get away. She’d set the steaming plates in front of us, still humming, cross her arms. Don’t be afraid to eat, she’d say, because we were. We were afraid.
http://5trope.com/newissue/cecilia-woloch-four-poems/

Pássaros de Minha Mãe
Cecilia Woloch
O apelido polonês da minha mãe era a palavra vara-pau, Sucha, sua mãe que deu. Bruxinha; Senhorita Pele e osso. Quinta de onze filhos finos e assustados, todas aquelas bocas para alimentar. Certo: era a Grande Depressão; todos eram pobres. Eles cozinhavam batatas em fogueira na rua, minha mãe contou; mergulhava pão dormido em coalhada, comia o que era colocado na frente deles. Tinha olhos escuros, sonhadores, dançava em terrenos baldios, fingia ser estrela de cinema. Amarrava seus cabelos negros com trapos; dava pontapés em cinzas, vidro quebrado. Colhia pontas de cigarro nas sarjetas pelas moedas de um centavo de Dzia-dzia. Ainda que CioaCia Helen fosse louca, descendo a colina, estava melhor. Ela deu-lhes doces, doces baratos, mas doces. Um ano ela deu-lhes pintos de Páscoa de um ano. Minha mãe pegou os pequenos pintinhos e levantou-os com ternura, como animais de estimação. Eu vi as fotografias: suas asas brancas agitadas em seus braços. Como se esses frangos pudessem voar, mas eles eram carne, as aves que amava. Carne dura, e estes eram anos de fome. Então CioaCia levantou o machado. Minha mãe chorou e não conseguia engolir, nem poderia alguém, eu ouvi. A história diz que ela salvou algumas penas perdidas, as escondeu, cantou para elas. Ajoelhou sobre elas chorando no sótão, como numa igrejinha. Adubou e regou por meses, suas irmãs riam; os pássaros fantasmas. Na estrada, anos mais tarde, sempre cantando, ela iria tentar nos engordar. A sua estranha ninhada de sete filhos, obteve menos ternura, talvez. Como se, desta vez, ela quisesse ter certeza de que teríamos distância. Ela dispunha os pratos fumegantes em frente de nós, ainda cantarolando, e cruzava os braços. Não tenham medo de comer, ela dizia, porque estávamos. Estávamos com medo.

terça-feira, 2 de junho de 2015

À Mariana Botelho


orquestra dos mortos

não é que eu goste
de flanar sozinha  
ao som da orquestra dos mortos
cumprindo minha sina  
de avatar invisível  
é que tenho como companhia 
bagagem indelével
olhos negros suspensos sobre mim

já machuquei gente demais
e  ninguém
nem mesmo eu
tem algo para me dar  

cheguei ao meu limite
e sou incompetente
para usar a escrita para trapacear
o que me tira a literatura
como último recurso

para mim é sempre vida real
e na vida real
eu perdoo a beleza 
desse céu cinza de outono 
pois nada é obrigado
a estar triste e feio como eu

NSL
02/06/15

segunda-feira, 1 de junho de 2015

me comove
que esteja convicto acerca da aparição única da sorte
que você saiba o que diz as três linhas em minha mão
que sua voz de fado me torne a mais bela estrela da galáxia
que a tristeza visite seus olhos ao lembrar de sua serra

mas queima-me o peito 
saber que você chegou 
quando eu já tinha feito minha escolha

NSL
01/06/15