domingo, 2 de julho de 2017

de tanto amor que desejo

de tanto amor que desejo
que me viro do avesso
e esqueço meu nome
e permito que me cozinhem
em fogo brando

de tanto amor que desejo
que desprezo meu sal,  umidades
me esqueço que só
essas águas me lavam
apagam minhas chamas

de tanto amor que desejo
renuncio ao título
de senhora das sombras
e divido em duas, como salomão
as verdades de minhas dobras e rugas

de tanto amor que desejo
que me perco na espera
de que homens sejam flores
e não essas armas de guerra
arvores fálicas

Nenhum comentário:

Postar um comentário