sexta-feira, 17 de abril de 2015

diálogo com molly bloom

as flores que eu gosto
são de plástico
tenho-as de todas as cores
em casa
mas eu concordo
não tem nada no mundo 
como a natureza 
cachoeira, mesmo as pequenas
eu tinha tomado birra 
do mar
mas ando pensando em voltar
plantações para mim
é o jardim de lata
de minha mãe
gosto de gatos
mas ele não
daí então 
a gente não tem

ah, molly 
desde que eu aprendi a gozar
acredito que deus existe
antes não
demorou para eu aprender
e não foi sozinha
ninguém aprende nada sozinho
ou talvez morrer
morrer eu acho 
que a gente aprende sozinho
mas gozar a gente vai aos poucos
aprendendo 
muitas vezes
encostada nos muros 
como você
na muralha mourisca
tinha aquele cabeludo
que fumava maconha, diziam
eu podia não gozar
mas só o rastro 
dos dedos dele
me deixava molhada
e eu pensava que era isso
uns tinham muita pressa
tremiam
e doía de me fazer chorar

é como hoje, molly 
queria ser amada
deitada atrás da casa
de antes ficou
o gosto pelos beijos longos
que me deixam sufocada
porque ninguém me contava
que amor era outra coisa?
porque
ninguém nunca me chamava
de flor da montanha?
nem sabiam o que era uma montanha
eu nem sabia até
um dizer 
que eu ficava gostosa
na bermuda cortada
tinha aquele da cb 
400 e o apartamento emprestado
o quarto com abajur 
fosforescente
eu jurava que tinha gozado
meu deus, era para saber
mas eu não sabia, molly 
eu não sabia

quando contei 
pela primeira vez
que fingia
ele chorou um dia
inteiro
nem precisou me chamar de flor
flor é igual borboleta
que eu não sou
sou pedra
seixo ou cascalho
nessa época
já tinha visitado 
três estados com ele
para ele eu podia
depois dele
nenhum nunca mais
me tocou
desde o dia em que chorou
ele me palmilha
e eu gozo com cada dobra, molly 
não tenho casa
mas sou casa caiada de branco
e ele é a minha varanda
beirais de peças de oito
negras como aquelas
que eu vi em lagoa bonita
no dia que o outro achou o cachorro
aquele que me escreveu cartas de amor
cartas mentem, molly 
elas me faziam crer
que um grande leão branco
iria resgatar a paixão
cartas não
queimei-as todas
paixão é quente
mas é muito diferente de amor

tenho que parar, molly bloom
às vezes
assim como hoje
eu me esqueço
mas temos um pacto
de nunca falar do passado

NSL
17/04/15

Nenhum comentário:

Postar um comentário