sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

testamento


Deixo para aquele pau-ferro plantado ali na calçada
meu direito de ser gente
seus galhos avançando sobre o muro
querendo entrar em casa
dizem que ele merece esse direito mais que eu

Nenhum comentário:

Postar um comentário