quarta-feira, 9 de julho de 2014

para parar as máquinas

coragem poetas
estejais cônscios de que lá fora
na cidade 
ainda rangem as engrenagens 
que moem a todo vapor
os sonhos de amor
e de justiça
não soltem a pena
a pena é a cunha
que há de parar as máquinas
dos fornecedores do mal

NSL
09/07/14

Nenhum comentário:

Postar um comentário