quinta-feira, 5 de junho de 2014

respeitável público

a malabarista
conta e costura
os rasgos da lona
e teme o dia que eles
vão parar de vir
ignora o risco
do trapézio sem rede
alisa a lantejoula solta
os paetês foscos do maiô
mira a tinta descascada do picadeiro
o mês inteiro o mesmo show
(eles vão parar de vir)
ouve o rugido em câmera
lenta dos animais
velhos e sem pelos
dias gloriosos de casa cheia
& barriga cheia se foram
nem em sonho imaginava
que fosse cair

Nenhum comentário:

Postar um comentário